Quase 15 construções ilegais usadas para fins comerciais são demolidas na Ilha do Governador

Imóveis funcionavam como borracharia, chaveiro, lanchonete, entre outros ramos, mas não tinham aval da Prefeitura do Rio para tal

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Demolição de construções ilegais na Ilha do Governador - Foto: Divulgação/Seop

Além de um ”arranha-céu” de sete andares em Irajá, a Prefeitura do Rio de Janeiro demoliu, nesta quinta-feira (16/05), também na Zona Norte da cidade, 14 construções irregulares na Estrada das Canárias, na Ilha do Governador. Elas ocupavam uma área pública de cerca de 980m². A ação foi comandada pela Secretaria Municipal de Ordem Pública.

Os imóveis funcionavam para fins comerciais, como borracharia, chaveiro, ferro-velho, lanchonete e transporte privado de passageiros, mas sem qualquer tipo de autorização do Poder Executivo carioca.

Durante a operação, cinco cortes de luz clandestina foram feitos pela Light e, aproximadamente, 60 toneladas de entulho removidos pela Comlurb.

Vale ressaltar que também participaram da ação agentes da Guarda Municipal, Polícia Militar, Cedae, Rioluz e Secretaria Municipal de Assistência Social.

Advertisement
Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Quase 15 construções ilegais usadas para fins comerciais são demolidas na Ilha do Governador
Advertisement

19 COMENTÁRIOS

  1. E os quiosques em alvenaria, banheiro e cozinhas, nas areias da praia de são bento há 50 anos , assim como não praia dos bancários, praia da rosa . Enquanto isso, a prefeitura já multou outros legalizados por muito menos. Quem são os vândalos afinal? O próprio sistema?

  2. Faltou demolir o monte de casas na beira do valao na vila aliança em bangu, eles fizeram laje no valao e construiram na lateral da calçada e na laje, nas pracas das vila aliança tambem tem um monte de construção de alvenaria irregular

  3. Na Visconde de Niterói na Mangueira, as construções estão há anos invadindo a pista Precisa de uma intervenção urgente e ninguém faz nada.

  4. Se for fazer à demolição de tudo que é ilegal ou irregular precisar destruir metade do RJ , muito fácil destruir o que as pessoas constroem com sacrifício, mas entender como é burocrático o sistema para tentar legalizar isso ninguém mostra e fora o custo que em muitas vezes as pessoas não tem condição de gastar com essa legalização ou aprovação da Prefeitura! Lamentável! Porque não cria um modo de ajudar as pessoas para aprovar uma construção? Ou tenta reduzir o custo para aprovar um projeto ? A Prefeitura só pensa em ganhar e não ajudar a população! Só quem já deu entrada em um projeto sabe como é péssimo o serviço da prefeitura , fazem de tudo para não aprovar e com isso a pessoa só gasta e não consegue aprovar nada e no final vem a prefeitura e faz a demolição! Isso não é correto! Tudo é feito com muito sacrifício para vir o prefeito e mandar demolir, deveria existir um projeto para ajudar as pessoas ao invés de prejudicar!

  5. Poderia ajudar a legalizar ao invés de de fazer a demolição! O RJ não tem mais jeito , se leva mais de 1 ano para tentar aprovar um projeto e isso quando aprova , prefeitura de lixo!

  6. Há inúmeras construções ilegais na cidade do Rio de Janeiro. Muitas delas obstruem a circulação de pessoas e até de carros. Quase todas são extremamente feias e pioram ainda mais a já deplorável estética da cidade. Todas essas construções devem ser demolidas e as áreas ocupadas reintegradas ao espaço público.

  7. Mas os trailers irregulares que colocam na calçada da minha casa em.pkena madrudada, e ja notifiquei a prefeitura, nada. Prazos de 30+30+30 tentendo a eternidade. Suburbio do Rio nao tem o mesmo atendimento que a ilha, barrra e zona sul. Mas os impostas chegam.

  8. Deveriam também ordenar os carros que estacionamento na Estrada das Canárias em frente a Escola João Luís Alves , é uma bagunça. Cadê a guarda municipal? A mesma coisa é a para de ônibus um pouco antes da sede da Guarda Municipal na Ilha, saindo da Ilha, é uma baderna só, engarrafando o trânsito todo dia. Tem muito cacique para pouco índio.

  9. Mas o quiosque em alvenaria e com banheiro improvisado, no camelódromo do Méier, embaixo da passarela, este ninguém demoli, mesmo tendo sido denunciado várias vezes no passado.
    As construções ocupando via pública no Jacaré também ninguém põe abaixo para liberar a via em sua plenitude.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui