Quintino: Cadê o investimento em Turismo?

O Rio de Janeiro, assim como uma senhora que passou da idade, confia demais em sua beleza da juventude e não investiu em seu interior

Praia de Ipanema - Rio de Janeiro - Foto: Alexandre Macieira

Devido ao DIÁRIO DO RIO acabei me envolvendo mais no trade do turismo, afinal, sempre insistem que este é o verdadeiro “petróleo do Rio de Janeiro“. Pura balela! Com exceção dos empreendedores, o Poder Público pouco se interessa pelo setor. Parece que eles têm de guerrear e matar uma alcateia de leões antes do almoço, depois uma manada de elefantes só para conseguir se manter de pé.

Vivemos de mais da beleza do Rio de Janeiro, em “Receita de Mulher“, Vinícius de Moraes dizia, “As muito feias que me perdoem,/Mas beleza é fundamental. É preciso/Que haja qualquer coisa de flor em tudo isso/Qualquer coisa de dança, qualquer coisa de haute couture“. O Rio tem a beleza, mas não tem qualquer coisa de qualquer coisa de haute couture, quer dizer, até tem, mas não tem o investimento necessário do Poder Público para que isso seja aproveitado.

No Ministério de Turismo temos alguém que desconhece o tema completamente, Daniela do Waguinho, mas parece bem-intencionada. Na Embratur, Marcelo Freixo, este duvido que tenha boas intenções sobre qualquer assunto que não seja Direitos Humanos, que seria o melhor lugar para tudo que ele aprendeu e viveu estes anos, e não o turismo. No estado do Rio, tivemos sorte com Gustavo Tutuca na Secretaria de Turismo, ainda assim a equipe é pequena e deveria conter mais especialistas.

Mas e quanto a cidade do Rio? A Secretaria de Turismo é um cabide de empregos, e nem tão bom assim, são pouquíssimos cargos. Ali recentemente foi colocado os grupos dos Maias, com Dani Maia a frente, que esteve à frente da RioTur. Entre seus nomeados não parece ter nenhum turismólogo, ou pesquisador do Turismo, ou gente que tenha trabalhado no Trade. Ao menos fora do Carnaval do Rio, e vamos ser sincero, por mais importante que seja o Carnaval, ele já se completa sozinho.

E a culpa não é de Dani Maia, ela pode ser secretária, mas como avançar o Turismo com uma equipe pequena? Como montar planos e projetos a longo prazo? Ela precisaria de especialistas em marketing, de diplomatas, o Rio concorre com outras cidades do Brasil e do mundo. Temos um sério problema de imagem, apesar de quando se trata de violência em áreas turísticas não sermos diferentes de outras megalópoles. A SeTur tem dinheiro para investir em publicidade no exterior? Não? Tem orçamento para mandar imprimir mapas para os turistas? Não! Então como Dani Maia ou qualquer outro poderá fazer um bom trabalho?

Dani Maia ou qualquer outro pode sobrar boa vontade, mas isso não basta. O Rio vai perdendo turismo para outras cidades de nosso próprio estado, André Português vai transformando a pequena Miguel Pereira em um centro turístico, que já suplantou outras cidades próximas e muito maiores. Em breve Maricá terá o maior resort do país, com hotéis de Megaluxo, e levará recursos em dólar que poderiam ficar na nossa cidade. Tudo isso porque o Rio, como uma senhora que passou da idade, ficou confiando em sua beleza da juventude e não investiu em seu interior.

Advertisement

5 COMENTÁRIOS

  1. Daniela do W, Freixo, Tutuca, DaniMaia…É time de especialistas ou elenco de BBB? Quanto a Maricá ter um complexo hoteleiro, alôoooou…Essa brincadeira ainda está em projeto há décadas ccriando possibilidades apenas há 12 anos. Vai iniciar, ok…mas com que composição financeira e possível rentabilidade? Nem recebendo royalties do barril de petróleo a US$ 500 tal delírio se viabiliza. Só para comparar: Costa do Sauípe (BA) começou pelos anos 90 e somente agora tem um fluxo regular de hospedes e consistente retorno financeiro. Algumas trocas de controladores, a ultima foi a Previ que investiu mais de R$ 1 bi e vendeu por R$ 200 milhões. Se estamos em 2023 e ainda nem trator fazendo terraplanagem, é coisa para 2050 e muitos US$ bilhões. Turismo é jogo sério e de muito capital. O que é feito aqui no país tem muito amadorismo. Não por acaso um monumento na França qualquer recebe mais turistas que o Brasil inteiro.

  2. o q marcelo freixo entende de turismo?? entende de partido politico e só… polos de moda praia, novo mercado municipal, reestruturaçao total da area central q é um horror para os turistas q vem de navios e muitos mais.. menos poltiica e mais ação..

  3. Além da propriedade do comentário de Riley, há, de fato, muito a falar sobre a falta de exploração do turismo no Rio, não só na cidade, em todo o estado. Mas fazê-lo com frases preconceituosas como ” Tudo isso porque o Rio, como uma senhora que passou da idade, ficou confiando em sua beleza da juventude e não investiu em seu interior.”
    Por favor!!!!! Acaba com qualquer texto que pretenda, no mínimo, ser bem escrito.

  4. Só para ficar claro: Rio para o articulista é a CIDADE do Rio, não o ESTADO do Rio, já que, ao invés de falar de turismo integrado com os diferentes atrativos do estado, reclama da perda da capital para cidades como Miguel Pereira e Maricá, como se essas também não merecessem aproveitar seus potenciais naturais ou criados. O turismo integrado será bom para a capital, que teima em se diminuir a praia e carnaval, é para o Estado, uma vez que um programa turístico deve não só atrair turistas, mas mantê-los por mais tempo, aproveitando diferentes opções e incutindo o desejo de voltar para aproveitar o que não viu. E a porta de entrada é a porta de entrada.
    Esse tipo de artigo não ajuda a jogar luz sobre o tema, apenas joga gasolina no bairrismo insano.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui