Rio de Janeiro tem uma nuvem que se encontra no mesmo lugar há séculos e que já atrapalhou planos do antigo Império

O fenômeno, que está presente em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio, será estudado pela UFRJ

Nuvem, Ilha do Farol, Registro da Marinha do Brasil

Cultuada pelos antigos nativos, uma nuvem localizada em cima da Ilha do Farol, em um dos pontos mais altos de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, inspira lendas, histórias reais e estudos. A pesquisa mais recente é da UFRJ, a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Meteorologistas vão iniciar um estudo, de modelagem numérica, para identificar como se dá a formação da nuvem através dos séculos.

Os primeiros registros oficiais da nuvem são de 1836, quando o Império Brasileiro viu o projeto de implantação do farol em Cabo Frio ser derrubado pela presença do fenômeno natural, que ficava na frente do feixe de luz, impedindo a visibilidade dos navegantes, resultando em muitos naufrágios. Foram 25 anos até que o governo imperial construísse um novo farol, em outro ponto da ilha, que, sem a nuvem, funciona normalmente até hoje em dia.

Farol Velho: Foto: IPEAM

A nuvem virou pesquisa da Marinha do Brasil e agora, ganha também o interesse da UFRJ, por meio do trabalho de pós-graduação da jornalista Fabiana Lima. Ela foi a primeira a contar a história da nuvem, com repercussão em rede nacional no “Como Será”, Rede Globo, e trouxe o tema para o campo acadêmico, como objeto de monografia do curso de Clima e Energia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, em parceria com a UFRJ.

 “A nuvem reúne um enredo de mistério, crendices… de história do país a fenômenos da natureza. É uma lenda! Agrega valor à região. As pessoas que sabem dela, ganham mais um elemento para observar diante da beleza toda que é Arraial do Cabo”, afirma Fabiana.   

SERGIO CASTRO - A EMPRESA QUE RESOLVE, desde 1949
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis – a empresa que resolve contribui para a valorização da cultura carioca

A nuvem quando aparece, é sinal de que a praia está garantida. Os estudos da Marinha demonstraram que quando ela está presente, é sinal de ausência de interferências na atmosfera, como passagem de frentes frias ou correntes de umidade. Possivelmente, este sinal pode indicar que a nuvem atua como um “radar natural” para a região. Respostas que vão ser concluídas com as pesquisas da equipe do meteorologista Wallace Menezes, do laboratório de prognósticos e Mesoescala da UFRJ.

 Imagem: André Dias/TV Globo/Reprodução

Vamos reunir os dados de temperatura, vento, umidade, pressão e todas variáveis da região. Já entendemos que a nuvem se forma pela presença da montanha. O ar é obrigado a subir a encosta, se resfria, e acontece a condensação. Mas queremos entender a partir de qual momento essas gotículas se formam”, explica o meteorologista.

As informações já compreendidas e os processos que estão por vir na próxima pesquisa viraram um mini documentário, feito pela jornalista Fabiana Lima. Ele foi apresentado às instituições estadual e federal de ensino e está disponível, gratuitamente, no Youtube no link 

“O meio acadêmico está sempre produzindo conteúdo de relevância e quase sempre este material fica retido entre aluno e professor. É preciso ultrapassar essas barreiras, fazer com que a população em geral também tenha acesso ao que está sendo produzido nas instituições. Agregar as linguagens para que o conhecimento seja compartilhado”, destaca a jornalista Fabiana Lima.

Para o professor Wallace Menezes (UFRJ), o desenvolvimento da ciência se reverte em benefícios diretos para a sociedade. 

“É importante ressaltar que a meteorologia é fundamental para a segurança das atividades humanas e esta pesquisa contribui para evolução de entendimentos que auxiliam em variados processos, aperfeiçoando o domínio dos aspectos da meteorologia e previsão do tempo”, finaliza, o professor.

Enquanto mais informações sobre a nuvem são levantadas, ficam as histórias que já fazem parte da cultura popular. Se bem que essas devem ficar por aí por muito tempo, da mesma forma que a nuvem se encontra lá, no mesmo lugar, há séculos.

Advertisement

11 COMENTÁRIOS

  1. Um evento natural, que incomodou e fracassou um projeto humano em 1836, somente agora saiu da explicação mitologica para o entendimento acadêmico! Que vergonha!!!Meu Deus!! Pra piorar, em frente a nossa cara sempre! Misericordia!!

  2. O pior é essa nuvem negra que cobre todo o RJ e tem vários nomes: Sergio Cabral, Garotinho, Pezão, witzel, Crivella , PT , PSOL , PCdoB, entre outro !
    Deus tenha misericórdia do nosso Rio de janeiro!

  3. É possível que isso aconteça por haver algum ponto na ilha que emite ar quente do solo, talvez um detector de pontos de calor geotérmico possa descobrir o local exato.

  4. Reportagem mal redigida. Deduzo que os registros de 1836 a q se referem são pertinentes a recém Marinha Brasileira esquecendo-se de mencionar as atividades pré-independencia no local o q esclareceria as construções portuguesas. Certamente que em qualquer área costeira próxima ao Rio havia vigilância pois tentativa de invasão pelos francesas muito tempo antes já ocorrerá e a Capital da Colônia já no Rio se encontrava.

  5. E detalhe ela fica por muitas horas .
    Começa pela manhã e vai até o final da tarde.
    Tenho muitas fotos com elas ao fundo
    Já que estou sempre na praia do forte e de la que obsermos que essa nuvem quase sempre o msm formato.paira ou é criada ali.

  6. Bem, acredito categoricamente que seja a vegetação do bioma mata atlântica o principal fator, além dos mencionados relevo, e da praia. Visto que Xerem, e principalmente Petrópolis sempre está sempre com clima nublado e tem a vegetação e alto relevo em comum.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui