Sinos das igrejas históricas do Centro do Rio voltam a badalar a partir de dezembro

Projeto "Alerta da Paz" vai colocar os sinos de diversas Igrejas barrocas para tocar durante o mês de dezembro, em diversos horários. A 'orquestra' vai anunciar o Natal, reavivando as memórias do passado glorioso da região central do Rio e abrindo as portas para a revitalização da região

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Igreja histórica no Centro do Rio de Janeiro - Foto Daniel Martins

No coração pulsante do Centro Histórico do Rio de Janeiro, onde as veias da história e modernidade se entrelaçam, os sinos das igrejas históricas estão prestes a reencontrar suas vozes. Esses antigos guardiões do tempo, silenciados pelo ruído incessante da urbanização, prometem ressoar novamente, evocando ecos de uma tradição católica portuguesa e brasileira que se entrelaça com a própria fundação da cidade. A prática de tocar os sinos, trazida ao Brasil pelos colonizadores portugueses, serviu não apenas como chamado para momentos de oração e celebração religiosa, mas também como um narrador sutil da vida comunitária. Cada dobrar, cada badalada, era um fio na tapeçaria do cotidiano colonial e imperial, anunciando nascimentos e mortes, festividades e calamidades, e até mesmo o simples passar das horas.

No Rio de Janeiro, cidade que já foi capital do Império e palco de incontáveis capítulos da história brasileira, os sinos dos icônicos templos setecentistas como a Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, eram os pulsos regulares que marcavam o ritmo da vida. Suas vozes, em harmonia com os sons dos bondes, dos pregões e das ondas da Baía de Guanabara, compunham a sinfonia do cotidiano carioca.

Contudo, com o avançar dos séculos e a escalada da modernidade, os sinos foram sendo silenciados, substituídos pelos caixas de som, o roncar dos motores e as buzinas dos automóveis. O som que uma vez uniu a cidade em momentos de alegria, luto e devoção tornou-se uma memória distante, um eco quase esquecido.

Agora, em uma iniciativa que busca reconectar os cariocas com seu riquíssimo passado, os sinos das igrejas no centro histórico do Rio estão prestes a retomar seu canto. No início do ano, foi a histórica Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores na rua do Ouvidor, que fez um grande investimento na reativação e automatização de sua torre sineira, que voltou a badalar as horas no primeiro semestre; até mesmo o relógio de sua fachada voltou a mostrar as horas, depois de 101 anos parado. Este importante movimento, embalado por um desejo de preservar e reviver a herança cultural da cidade, promete reabrir um diálogo entre as gerações, unindo o moderno ao tradicional, o secular ao sagrado. Foi este o intuito da idéia proposta pela Associação Comercial do Rio de Janeiro à Arquidiocese carioca: como comemoração ao mês do Natal, que terá uma programação na região patrocinada pela entidade e outras empresas, os sinos de diversas devem voltar a tocar.

Advertisement

Leia também

Políticos têm dificuldades para confiar em Eduardo Paes – Bastidores do Rio

Rio terá megaferiado em novembro devido à reunião do G20; confira datas

Com base no pedido feito ao Cardeal Dom Orani Tempesta pelo presidente da Associação Comercial, Josier Vilar, o Vigário Episcopal Monsenhor André Sampaio de Oliveira solicitou às igrejas históricas da região central que voltassem a badalar seus sinos, conjuntamente, às 10 da manhã, ao meio-dia e 3 da tarde, encerrando com o tradicional toque da “Ave Maria”, às 6. Os representantes das paróquias e irmandades da região então foram convocados a participar de uma reunião com o presidente do Conselho Cultural da ACRJ, Sergio Costa e Silva, para alinhar os ponteiros em conjunto com representantes da comissão de patrimônio da Arquidiocese.

A reunião ocorreu com o sucesso esperado, e ficou acertado que as Igrejas São Francisco de Paula, Lapa dos Mercadores, Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé (antiga Catedral e Capela Imperial) e São José, Candelária e Santa Cruz dos Militares vão participar do projeto, que recebeu o nome de “Alerta da Paz”. Seus sinos vão dobrar como nos séculos passados, na companhia dos sinos do Mosteiro de São Bento. A Irmandade de Santa Luzia, dona da Igreja do mesmo nome, ficou de avaliar a possibilidade de participar também.

A assessoria da Irmandade dos Mercadores informou hoje que realizará uma missa solene em conjunto com a milenar Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, com coral e grande orquestra, por ocasião da abertura do período festivo na região – dia primeiro de dezembro às 11h na igreja da rua do Ouvidor – esta sexta próxima. O evento será aberto ao grande público e a celebração eucarística será presidida pelo próprio Cardeal Arcebispo do Rio, Dom Orani.

Uma grande agitação, principalmente nos arredores da Praça XV, tem trazido muita boemia e cultura para o local, que sofreu tanto durante a pandemia. O projeto “Reviver Centro” trouxe grande esperança para os comerciantes e freqüentadores, o que tem aumentado o movimento desde o início do ano.

Neste novo despertar destes gigantes de bronze, a cidade do Rio de Janeiro convidará seus habitantes e visitantes a ouvirem não apenas o som, mas também as histórias e as tradições que eles representam, lembrando-nos de que, mesmo em meio à frenética vida urbana, há espaço para apreciar a beleza e a riqueza do nosso rico passado de capital de um país de grande futuro.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Sinos das igrejas históricas do Centro do Rio voltam a badalar a partir de dezembro

Advertisement

4 COMENTÁRIOS

  1. Tudo isso é muito maravilhoso mesmo. mUITO BOM.

    Só fico triste pelo ABANDONO da IGREJA NOSSA SENHORA DA IMACULADA CONCEIÇÃO E BOA MORTE – na esquina da Rua do Rosário com Av. Rio Branco – fechou na PANDEMIA e não abriu mais…Deve ser Ordem Terceira…

    Daqui a pouco ela estará desabando por dentro…É um descaso da Santa Sé!

    Só espero que o SS Sacramento não esteja lá desde 2.020…

    Fica aqui meu elogio ao projeto e a minha crítica pelo abandono de uma Igreja Histórica e tão bonita (NOSSA SENHORA DE IMACULADA CONCEIÇÃO E BOA MORTE)!

    Isso.

  2. Tudo isso é muito maravilhoso mesmo.

    Só fico triste pelo ABANDONO da IGREJA NOSSA SENHORA DA IMACULADA CONCEIÇÃO E BOA MORTE – na esquina da Rua do Rosário com Av. Rio Branco – fechou na PANDEMIA e não abriu mais…Deve ser Ordem Terceira…

    Daqui a pouco ela estará desabando por dentro…É um descaso da Santa Sé!

    Só espero que o SS Sacramento não esteja lá desde 2.020…

    Fica aqui meu elogio ao projeto e a minha crítica pelo abandono de uma Igreja Histórica e tão bonita (NOSSA SENHORA DE IMACULADA CONCEIÇÃO E BOA MORTE)!

    Isso.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui