William Bittar – Dia Nacional de Zumbi: monumentos ao povo preto no Rio de Janeiro

Colunista do DIÁRIO DO RIO fala sobre monumentos que homenageiam representantes do povo preto

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Monumento a Zumbi dos Palmares Acervo Particular

O movimento pela instituição do Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra começou no início da década de 1970, proposto pelo Grupo Palmares, em referência à data provável da morte de Zumbi, 20 de novembro de 1695, numa batalha de vinte guerreiros contra um verdadeiro exército patrocinado por Senhores de Engenho e a própria Coroa portuguesa, em Alagoas.  Conta a tradição que o último líder do Quilombo dos Palmares foi decapitado e sua cabeça foi exposta ao público, para demonstrar que o grande guerreiro não era imortal, conforme muitos afirmavam.

Provavelmente, o nome do grupo proponente foi associado à organização armada VAR-Palmares que lutava contra a ditadura, dificultando sua instituição como data comemorativa.

Passaram-se mais de cinco décadas para a formalização nacional da data, em 2003, como uma efeméride no calendário escolar. Em 2011, a lei nº12.519, de 10 de novembro, instituiu o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra e após sua promulgação, cinco estados, entre eles o Rio de Janeiro, e mais de mil cidades brasileiras decretaram feriado nessa data. 

A cidade do Rio de Janeiro, desde sua fundação, contou com a presença marcante dos povos africanos para formação de sua identidade cultural. No entanto, como a história é escrita pelos dominadores, nesse caso o branco europeu, muito há que se resgatar para valorizar a importância do povo preto presente no cotidiano de nossa alimentação, indumentária, música, dança, religião e principalmente na resistência.

Advertisement

Uma região da cidade é um exemplo destacado dessa vivência e permanência, a Pequena África, denominação atribuída por Heitor dos Prazeres, localizada nas imediações da zona portuária, estendendo sua presença até a área conhecida como Cidade Nova, no início do século XX.

Ali foram construídas casas térreas em sua maioria, locais de cultos, espaços de manifestações artísticas, um centro de aglutinação e difusão da cultura negra do Rio, onde o samba se consagrou como gênero musical.

Na desaparecida rua Visconde de Itaúna, próximo à igreja de Santana, morava Tia Ciata, lendária baiana, notável representante das comunidades negras no Brasil e protetora daqueles perseguidos injustamente pela legislação preconceituosa e discriminatória, que proibia o samba e os cultos de matrizes africanas, as “macumbas”, como eram denominados pela crônica oficial.

2aed1945 c4fa 41d9 9f4f ce16a29e39d2 William Bittar - Dia Nacional de Zumbi: monumentos ao povo preto no Rio de Janeiro

Com as sucessivas reformas urbanas, a casa da Tia Ciata desapareceu, mas permaneceram outras referências para consolidar sua importância, como a Pedra do Sal e o resgate do Cemitério dos Pretos Novos, criado pelo Marquês do Lavradio no final do século XVIII para sepultamento de muitos africanos que não resistiram às condições desumanas da viagem transatlântica, trazidos como cativos

A Pedra do Sal, onde algumas mercadorias eram desembarcadas, localizada na Zona Portuária, próxima ao Largo de São Francisco da Prainha, está diretamente associada à história africana no Rio de Janeiro e às origens do Samba. Após a abolição, tornou-se ponto de encontro do povo preto de todos os pontos do país, local de festas e cultos, o próprio coração da “Pequena África”. Em 1987 o logradouro foi tombado pelo INEPAC, consolidando sua importância no cenário carioca.

Em 1948, após a abertura da Avenida Presidente Vargas, o Clube Naval encomendou ao escultor Luiz Paes Leme um busto de Marcílio Dias, herói na Guerra do Paraguai, que foi colocado na Praça Onze. Dias lutara na batalha do Riachuelo, onde morreu em 1865 e foi o primeiro militar negro a contar com seu nome inscrito no Livro dos Heróis da Pátria, em 2022.

Por causa de obras, o monumento foi retirado do sítio original, transferido para junto do Arsenal da Marinha, novamente removido, furtado, esquecido, até que em junho de 2023 a escultura foi recolocado sobre um pedestal de granito no canteiro central da Avenida Presidente Vargas, próximo ao monumento dedicado a Zumbi, diante da Escola Municipal Tia Ciata.

image 12 William Bittar - Dia Nacional de Zumbi: monumentos ao povo preto no Rio de Janeiro

A região central da cidade também abriga o monumento ao Almirante Negro, alcunha de João Cândido, líder da revolta dos marinheiros subalternos contra os maus tratos constantes promovidos pelos comandantes brancos, entre eles a aplicação de açoite no grupo formado por uma maioria negra. O episódio, ocorrido em novembro de 1910, ficou conhecido como a Revolta da Chibata.

A escultura, obra de Valter Brito, foi doada ao município pela Secretaria Especial de Igualdade Racial, conforme matéria deste jornal, instalada em novembro de 2007 no Catete.  No ano seguinte foi transferida para a Praça XV de novembro. Devido às obras de remodelação da região para circulação do VLT, o monumento teve sua visibilidade comprometida, gerando protestos.

Em novembro de 2022, por ocasião do Dia da Consciência Negra, a escultura do Almirante Negro foi transferida mais uma vez para a praça Marechal Âncora, a alguns metros de distância, próxima ao Restaurante Albamar, consagrando a importância do marinheiro, falecido em 1969, como representante da resistência contra a intolerância e preconceito. Trinta e nove anos após sua morte, quase um século após a Revolta da Chibata,  em julho de 2008, João Candido e seus companheiros receberam anistia do governo federal.

image 13 William Bittar - Dia Nacional de Zumbi: monumentos ao povo preto no Rio de Janeiro

Em 09 de novembro de 1986, por iniciativa do então vice-governador Darcy Ribeiro, foi inaugurado o Monumento a Zumbi dos Palmares, no coração da antiga Praça Onze, verdadeiro símbolo da luta do povo preto pela sua libertação, muito antes do 13 de maio, que representa muito mais uma concessão do branco nobre europeu.

O conjunto, idealizado pelo arquiteto Filgueiras Lima, consta de uma pirâmide, sobre a qual uma escultura em bronze, do artista Romeu Alves, representa um rei do Benim, ampliada segundo a orientação do antropólogo. A decisão por este modelo foi decorrente da ausência de registros consistentes sobre a imagem do líder Zumbi.

Cais do Valongo, Cemitério dos Pretos Novos, Pedra do Sal, Pequena África, Tia Ciata, Anastácia, Marcílio Dias, João Cândido, Zumbi dos Palmares, são apenas alguns marcos, muito poucos diante da dimensão que a cultura negra exerce sobre a formação da cidade e da própria nacionalidade.  Pouco a pouco avança na luta para ocupar o lugar sempre merecido, que deve incluir personagens reais, lendários, entidades, e tantas manifestações cotidianas presentes em muito mais do que um dia para celebração.

Salve, Tia Ciata, Mãe-Pequena, filha de Oxum!

Glória ao Almirante Negro!

Valeu, Zumbi!

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp William Bittar - Dia Nacional de Zumbi: monumentos ao povo preto no Rio de Janeiro
Avatar photo
Carioca, arquiteto graduado pela FAU-UFRJ, professor, incluindo a FAU-UFRJ, no Departamento de História e Teoria. Autor de pesquisas e projetos de restauração e revitalização do patrimônio cultural. . Consultor, palestrante, coautor de vários livros, além de diversos artigos e entrevistas em periódicos e participação regular em congressos e seminários sobre Patrimônio Cultural e Arquitetura no Brasil.
Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui