Viatura da Guarda Municipal na entrada do Arco do Teles, no Centro do Rio, onde fica a antiga casa de Carmen Miranda - Foto: Reprodução

No último sábado (09/05), você leu aqui no DIÁRIO DO RIO, com exclusividade, que a antiga casa de Carmen Miranda, no Centro da cidade, havia sido invadida por uma quadrilha de invasores profissionais especializados em depenar imóveis históricos e vender pedaços dos mesmos. Tudo isto no momento em que cresce a onda de invasões que têm acontecido na região central do Rio de Janeiro. Também está invadido o sobrado número 5, de propriedade do Espólio de Olympio Alves, alvo de uma das maiores fraudes sucessórias da história.

O interior do imóvel ficou completamente bagunçado e destruído após a ação dos invasores, que, segundo testemunhas, já venderam madeiras, janelas e forro do imóvel. Eles retiraram muita coisa de valor, mas ao menos as portas principais do prédio ainda estão no lugar. Obtivemos com exclusividade fotos do interior do imóvel após a ação dos criminosos.

Interior do imóvel, muito destruído após a ação dos invasores, que vendem madeiras, tábuas e janelas – Foto: Reprodução

No domingo (10/05), após a denúncia do DIÁRIO DO RIO, a Prefeitura, representada por agentes especializados da Guarda Municipal, esteve no local, entrou e lacrou o imóvel, colocando uma corrente. Porém, a reportagem esteve lá na data de hoje (11/05) e verificou que a corrente não possui cadeado. As autoridades já foram informadas e ficaram de providenciar o cadeado.

Também o IPHAN-RJ, órgão de patrimônio Federal, iniciou processo próprio, além de ter também solicitado ação imediata da prefeitura. O órgão agiu rapidamente após a denúncia do DIÁRIO DO RIO.

Infelizmente não é o primeiro nem o segundo imóvel a ser invadido no ponto turístico, que vem se transformando numa favela a céu aberto, com mendigos, dependentes de drogas e moradores de rua. Tudo isto sem contar a constante depredação dos prédios, de onde bandidos especializados arrancam portas, janelas, tábuas corridas e até telhas para vender.

A Prefeitura, salvo a intervenção de domingo, tem demonstrado grande descaso pela história do local, tendo chegado a arrancar lampiões históricos de cobre que ficavam suspensos em arcos de ferro fundido e iluminavam a rua, e substituí-los por refletores chineses de LED, em movimento para agradar os camelôs que vendem cerveja e vodka nas noites de festa e samba tão tradicionais no Arco do Teles. Estes mesmos camelôs deixam as ruas sujas com restos de garrafas e latas e guardam seu material irregular em prédios invadidos.

Respectivamente, porta da antiga casa de Carmen Miranda entreaberta, após sofrer invasão, e já com corrente, depois da chegada dos guardas municipais – ainda falta um cadeado – Foto: Reprodução/Internet

Detalhadamente falando, a residência onde viveu Carmem Miranda fica localizada na Travessa do Comércio, nº 13, na região conhecida como Arco do Teles, junto à Praça XV. Por lá, inclusive, será instalada a nova sede do DIÁRIO DO RIO, que está sendo restaurada. A área, cujas construções remontam à vinda de Dom João VI para o Brasil e até a períodos anteriores, é bem tutelado pelo Governo Federal. Trata-se de um dos únicos conjuntos históricos que reproduzem a ambiência da cidade à época da vinda do Príncipe Regente.

Antiga casa de Carmen Mirana, nº 13 da Travessa do Comércio – Foto: Reprodução/Internet

Agora, o processo de fiscalização à correta conservação do imóvel será prosseguido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

7 COMENTÁRIOS

  1. Feliz por saber que o Diário do Rio estará se instalando ali, um dos poucos que dão atenção integral à cidade e se ocupam com a preservação de toda sua história. Parabéns ao jornal!

  2. Esses FDP, são os mesmos q ñ querem ir para os abrigos, e usam o produto do saque para comprar droga e depois vão para as filas para pegar quentinhas doadas pelas pessoas generosas e solidárias da nossa cidade.
    Cadeia para eles, excluem-se os pobres sem teto e desempregados.
    Tem q separar o joio do trigo.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui