Foto: Reprodução/Internet

Na manhã desta sexta-feira (01/05), durante a cerimônia de inauguração do Hospital de Campanha da Prefeitura do Rio de Janeiro, no Riocentro, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, o prefeito Marcelo Crivella revelou estar estudando a possibilidade de tornar mais rígidas as medidas de isolamento social na capital fluminense.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Uma dessas ações seria a de multar os estabelecimentos que autorizem os clientes a adentrar às lojas sem estarem utilizando máscaras de proteção – vale lembrar que o uso delas se tornou obrigatório desde o último dia 23/04.

Ainda de acordo com Crivella, haverá uma reunião na tarde desta sexta para debater o avanço da pandemia no município. Participarão dessa conversa o próprio prefeito e um gabinete científico, formado por diretores de hospitais, professores de universidades e membros da Academia Nacional de Medicina.

”Eu acredito que, talvez, a gente possa endurecer algumas medidas, como multar as empresas que atendem pessoas sem máscaras. É, talvez, uma medida que entre em vigor”, disse o prefeito.

Prefeito Marcelo Crivella durante inauguração do Hospital de Campanha do Riocentro, na manhã desta sexta (01/05) – Foto: Reprodução/TV Globo

Ao ser perguntado se há possibilidade real de acontecer no Rio o sistema de ”lockdown”, que consiste em fechar-se totalmente os acessos à cidade, Crivella disse esperar que não seja necessário tomar atitude tão drástica.

”Eu prefiro não pensar nisso. Eu prefiro ter certeza de que nossas medidas vão baixar as curvas, nossos leitos vão trazer uma segurança enorme e, logo logo, a gente volta às nossas atividades”, enfatizou o prefeito.

Crivella aproveitou, também, para apelar que haja um comprometimento de toda a população carioca para frear a proliferação da Covid-19 no município.

”Nós, mais uma vez, fazemos um apelo para a população. Nossos números não continuam com a inclinação muito alta de crescimento, mas continuam crescendo. Nós precisamos baixar essas curvas, ter os nossos leitos de reserva para poder voltar à atividade”, finalizou.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui