No Rio, mais de 13 mil famílias viveriam em prédios invadidos

Nas edificações, a falta de estrutura de habitação é a norma. Não há iluminação, água, e os ambientes são insalubres

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Ocupação Zumbi / Reprodução: GoogleMaps

Aproximadamente, 13 mil famílias residiriam em prédios abandonados no Rio de Janeiro, segundo o grupo de pesquisa e extensão Labá, da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O levantamento – apesar de seu claro viés pró-invasores – verificou ainda que as condições de vida dessas pessoas seriam extremamente precárias.

Nas edificações, ainda segundo o levantamento, a falta de estrutura de habitação seria a norma. Como são invadidos, muitos destes prédios não possuem água, ou possuem ligações clandestinas (leia-se muitas vezes furto de luz e de água) improvisadas e inadequadas, além de serem insalubres. Alguns dos edifícios correm risco de desabamento, como a chamada Ocupação Zumbi, localizada na Praça Mauá, no Centro do Rio, que foi interditada no mês de abril pela Defesa Civil.

Mas para esses moradores tamanha precariedade ainda poderia ser melhor do que encarar viver nas ruas da cidade, com todos os seus perigos e privações.

De acordo com G1, muitas das pessoas que vivem em prédios invadidos foram vítimas de abandono familiar ou desemprego. Há ainda famílias que teriam sido expulsas de ruas casas pela milícia.

Advertisement

Leia também

Lula retorna ao Rio para inauguração do Terminal Gentileza nesta sexta-feira

Taxas de condomínio disparam no Rio; confira bairros com valores mais altos

Eu não tinha condições de pagar o que eles cobravam. Fui expulsa de casa, sem direito a nada”, disse ao jornal uma beneficiária do Minha Casa, Minha Vida.

“Fui expulsa, tomaram tudo porque eu não tive o dinheiro da taxa que eles querem cobrar”, afirmou outra mulher ao G1, complementando que teve que sair de casa só com a roupa do corpo.

O ministro das Cidades, Jader Barbalho Filho, foi procurado pelo RJ2 para falar sobre a situação e o andamento do Minha Casa, Minha Vida. Barbalho adiantou que as ações do programa serão desenvolvidas em áreas próximas aos centros urbanos. Ele disse ainda que será possível reinserir no programa habitacional, as famílias que comprovarem terem sido expulsas pelo crime.

O Governo do Estado, por sua vez, destacou que realiza investimentos em segurança pública para garantir os direitos civis e sociais dos cidadãos. Além disso, a Polícia Civil tem investigado a atuação de criminosos junto a moradores de condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida.

As informações são do G1.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp No Rio, mais de 13 mil famílias viveriam em prédios invadidos

Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Como carioca sinto vergonha e revolta de ver nosso rio de janeiro abandonado geral e entregue a bandidagem . E um ultraje com o pagador de impostos . Lixo , desordem urbana , bandidagem correndo solta , etc….e os cariocas assistem como se tudo estivesse bem e em ordem !! Vergonha !!!!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui