Rede de mercados paulista abre filial na Uruguaiana e conquista frequentadores do Centro

Após a inauguração da Mega Fifo, os sócios do novo mercado enxergam oportunidades para empreender mais ainda no Centro do Rio

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Foto: Acervo

Uma rede mercados de São Paulo, a Mega Fifo, inaugurou sua primeira loja no Rio de Janeiro, na Região Central, mais precisamente na região de comércio da Rua Uruguaiana, uma das principais áreas de comércio popular do país.

Em funcionamento desde o mês passado, o mercado da Mega Fifo tem como principal atividade, o comércio varejista de produtos alimentícios em geral, como doces, balas, bombons, biscoitos, iogurtes e similares. O estabelecimento fica no número 62 da Uruguaiana. E aos consumidores, o empreendimento recém chegado à região promete grandes ofertas, oferecendo produtos com até 70% de desconto, maior economia, além da comercialização de itens no varejo com “preços de atacado”, como diz o slogan. No dia que a reportagem visitou o mercado, ele estava lotado.

Um dos sócios, o Luciano Freitas, contou ao DIÁRIO DO RIO que decidiu investir na Cidade Maravilhosa devido às boas condições de negociação e incentivos que a Prefeitura do Rio oferece. Além disso, confidenciou que pretende abrir outras lojas pela localidade. O Centro do Rio tem passado por um grande processo de revitalização desde 2021, com a aprovação do projeto Reviver Centro, que pretende repovoar o Centro com residências, além de escritórios e lojas.

Paco do Ouvidor Rede de mercados paulista abre filial na Uruguaiana e conquista frequentadores do Centro
O Shopping Paço do Ouvidor é o ponto de encontro no Centro do Rio. Passa no Paço

A abertura da loja é mais uma prova de que os esforços do setor público, da iniciativa privada e das alianças populares, para aquecer a economia do Centro do Rio, seguem dando certo. “Os incentivos fiscais e culturais, assim como projetos de recuperação vem transmitindo aos investidores a confiança de que a região voltará a prosperar“, disse ao DIÁRIO Marcus Vinícius Ferreira, do setor de expansão da Sergio Castro Imóveis, que vem atuando em importantes negócios que têm fomentado movimento na região.

Advertisement

Leia também

MP é acionado para investigar manifestantes que declaram apoio ao Hamas na frente da Câmara do Rio

Deputados propõem destinar R$15 milhões da Alerj para 10 municípios afetados por chuvas no RJ

A rua Uruguaiana sofreu um baque comercial com o aumento da desordem urbana e a entrega de todo o espaço público à camelotagem ilegal e aos vendedores clandestinos de todo o tipo de mercadoria. Até mesmo os compradores de ouro roubado atuam livremente pelo calçadão mais famoso da cidade. A subprefeitura do Centro vem fazendo investidas contra os criminosos que vendem mercadoria falsa e roubada, mas ainda não conseguiu fazer a limpeza deste quadrante, embora esteja atuando com mais firmeza na região da rua Sete de Setembro, tendo conseguido restabelecer a ordem no local.

Outros negócios seguem apostando na retomada da região, dentre eles, estão: a Livraria Travessa, na Avenida Graça Aranha; a Rede de Farmácias Cumani, na Rua da Alfândega; e o Mercado Prezunic, que abriu uma filial da Spid, loja de conveniência com entrega rápida, na Estação Carioca do MetrôRio.

O movimento de revitalização da região gerou a associação conhecida como  Aliança Centrocriada no fim de 2021 em um momento em que o Centro passava por seu pior momento; ali, os donos de grandes imóveis se juntaram para identificar os maiores problemas da região, que, por ter poucos moradores, não protocolizava praticamente reclamação alguma nos canais da prefeitura, apesar da desordem reinante. Ou seja, na prática, a prefeitura tinha poucos dados sobre os problemas, já que quase ninguém reclamava. Foi então que a Aliança Centro passou a fiscalizar a zeladoria e a ordem na região, com ”prefeitinhos” de prancheta em punho que caminham a todo momento pelas ruas onde os membros da associação possuem prédios, anotando todos os problemas e imperfeições. Ao retornar ao escritório, cuidadosamente geolocalizam cada ocorrência e reportam cada uma delas aos canais oficiais, gerando um database rico em detalhes sobre o Centro. O trabalho não pára por aí: a Aliança Monitora a resolução dos problemas, cobra institucionalmente das autoridades e apresenta o relatório semanal de tudo. Um serviço inestimável ao bairro, e à prefeitura, que não paga nada por isso. 

Os ”prefeitinhos” da aliança passaram também a classificar todas as situações em nível de gravidade: vermelho (alto risco de acidentes, moradores de rua, ambulantes clandestinos e espaços abandonados); amarelo (problemas de médio risco, como necessidades de recapeamento ou recuperação de calçadas) e verde (baixo risco, como falhas de sinalização e problemas de trânsito). Tudo é organizado em relatórios muito detalhados, e de fácil entendimento. 

A Aliança é dirigida por Marcelo Haddad, e foi formada pela iniciativa atuante das empresas Sergio Castro Imóveis, São Carlos Empreendimentos, Opportunity, Multicentros e Construtora Internacional, e hoje mais de 50 prédios estão representados, desde o Shopping Paço do Ouvidor ao Linneo de Paula Machado, Terminal Menezes Côrtes e outros. O Bradesco também apóia a iniciativa.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Rede de mercados paulista abre filial na Uruguaiana e conquista frequentadores do Centro

Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui