Chafariz da Praça Mahatma Gandhi vira latrina a céu aberto no Centro do Rio

O monumento que ocupa o espaço do antigo Palácio Monroe, na Cinelândia se tornou uma gigantesca latrina onde mendigos fazem suas necessidades fisiológicas, além de ter sofrido depredações

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp

O monumental Chafariz do Monroe, localizado na Praça Mahatma Gandhi, na Cinelândia, na Região Central do Rio de Janeiro, encontra-se desativado há anos e tomado pelo mau cheiro de fezes e urina. O fedor é sentido de longe. Tudo isso, no novo quintal da Câmara do Rio, que escolheu o Edifício Francisco Serrador como nova sede. O belo monumento fica numa posição de grande destaque e que de certa forma dá as boas vindas ao Centro da Cidade, a quem chega pelo VLT e por outros meios de transporte.

Importado da Áustria pelo Governo Imperial em 1878, o monumento, que ocupa o espaço do antigo Palácio Monroe, é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) por sua importância cultural. Muitos chafarizes vêm sendo reativados na cidade, mas nenhum sinal foi dado pelas autoridades no sentido de reativar este, que é considerado por especialistas o chafariz mais monumental do Rio de Janeiro.

O local já foi protegido por grades no passado, entretanto, após a retirada, ficou mais suscetível aos atos de vandalismos. A remoção das grades se deu sobre o argumento de que haveria uma integração visual da Praça Mahatma Gandhi à Praça Marechal Floriano e ao Aterro do Flamengo, convidando a população a se apropriar e usufruir do amplo espaço. De fato, ficou bonito, mas por pouco tempo. Logo a mendicância passou a utilizar-se do Chafariz como latrina, sem contar as depredações que o monumento vem sofrendo. Não se nota nenhum tipo de ação da SEOP ou da Guarda Municipal no sentido de coibir sua transformação em depósito de estrume. Sabe-se que a guarda enfrenta problemas de efetivo, em razão da sua curiosa sistemática de horas de trabalho; para cada 12 horas de trabalho, os integrantes da força descansam 60. Basicamente, “trabalham” mais ou menos um dia por semana útil.

Nesta quarta-feira (17/05), o DIÁRIO DO RIO teve acesso à uma gravação, realizada pelo restaurador e protetor do patrimônio Marconi Andrade, do grupo SOS Patrimônio – um dos mais ativos na defesa dos bens culturais do Rio, que denunciao péssimo estado de conservação do belíssimo monumento e o fato de ter estar sendo usado como uma espécie de “depósito” de necessidades fisiológicas de pessoas que vivem em situação de rua. Confira o vídeo abaixo:

Advertisement

Leia também

Aterro Restaurado e o Fim do Pulinho de São Conrado

Centro do Rio: estacionamento que virou bar irregular inferniza moradores, comerciantes e desrespeita Prefeitura

Papel da Aliança Centro

Marcelo Haddad, líder da Aliança Centro, comenta que esse tipo de fiscalização por parte da população é fundamental. “Precisamos da participação ativa dos cidadãos para pautar as ações dos governantes. Na Aliança-Centro temos duas equipes que percorrem cerca de 14 quilômetros diariamente reportando ocorrências de problemas de zeladoria na plataforma 1746 da Prefeitura.” disse.

“Tornamos o Centro da Cidade, ainda com poucos moradores, a região com maior número de reclamações para provocar a Prefeitura na resolução destes problemas. Desde novembro de 2021 foram abertas mais de 2 mil ocorrências e a taxa de resolução evoluiu de 24% para 60% em abril de 2023. Ainda temos muito para crescer mas é um caminho.” comentou Haddad sobre a importância da denúncia.

Ao ser indagado sobre as alternativas para solução de problemas como este, Marcelo Haddad pontuou algumas ações. “Outra alternativa seria adotar as áreas de revitalização econômica (AREs) que transformaram os centros das cidades na Europa e EUA num modelo de cogestão público-privada dos espaços públicos. Estamos planejando duas áreas como estas na cidade e que serão projetos pilotos na América Latina.”

Chafarizes Revitalizados no Rio

Uma iniciativa da Secretaria Municipal de Conservação, que iniciou-se no ano de 2021, na época em que Anna Laura Valente Secco estava a frente da pasta, revitalizou diversos chafarizes importantes culturalmente pela cidade. Dentre eles, o da Praça Seca, da Praia de Botafogo, da Avenida Princesa Isabel em Copacabana, da Praça General Osório em Ipanema, da Urca, da Praça Saénz Peña na Tijuca, do Largo do Machado e o da sede da Prefeitura do Rio na Cidade Nova. “Depois que Anna Laura saiu da pasta, ou a assessoria de imprensa da Secretaria de Conservação deixou de existir, ou muito pouco foi feito“, dispara Adriano Nascimento, que foi gerente predial do edifício Serrador, localizado bem na cara do Chafariz, até sua venda em dezembro último.

Até o fechamento da matéria, a Secretaria Municipal de Conservação, responsável pela gerência de monumentos e chafarizes da cidade, não havia se pronunciado sobre o assunto.

Atualização 17/0517h23

Em nota enviada ao DIÁRIO DO RIO a Secretaria Municipal de Conservação informou que faz limpeza semanal do Chafariz Monumental da Praça Mahatma Gandhi e vai mandar uma equipe até o local, a fim de fazer nova limpeza. A pasta acrescentou que está em fase inicial de estudos um projeto para a restauração do monumento.

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Chafariz da Praça Mahatma Gandhi vira latrina a céu aberto no Centro do Rio

Advertisement

1 COMENTÁRIO

  1. Bom dia !!! Continua a mesma coisa do ano passado, aliás pior. A noite se tornou covil de assaltantes que ainda deixam pertences de suas vítimas, como documentos e chaves, no próprio chafariz. Se quiserem lhe passo fotos atualizadas

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui